Princípio da Isonomia no Direito Tributário

O princípio da isonomia no direito tributário está previsto no artigo 150, ll da Constituição Federal, é vedado instituir tratamento desigual entre contribuinte de situação equivalente.

Logo, o princípio da igual tributária esclarece que a  uniformidade do tratamento deve ser observada entre aquele que tem situação equivalente.

Sendo assim, cabe o legislador instituir normas que garantem tratamento igualitário entre os iguais, e cabe aos desiguais tratamento que considere as suas desigualdades. 

Sendo assim, é vedada qualquer distinção em razão de ocupação profissional ou da função exercida pelo contribuinte.

Exceção

Contudo, em relação a seguridade social o artigo 195 § 9º, da Constituição Federal  determina que:  “As contribuições sociais previstas no inciso I do caput deste artigo poderão ter alíquotas ou bases de cálculo diferenciadas, em razão da atividade econômica, da utilização intensiva de mão-de-obra, do porte da empresa ou da condição estrutural do mercado de trabalho”.

Ou seja, existe a possibilidade de cobranças diferentes em razão da atividade econômica, porte de empresa entre outros, quando se trata de seguridade social.

Outro artigo referente ao princípio da isonomia no direito tributário é o artigo 145 §1°, da Constituição Federal sempre que possível os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica do contribuinte,  respeitados os direitos individuais, nos termos da lei, o patrimônio, os rendimentos e as atividades econômicas do contribuinte. 

A capacidade contributiva é determinada com a aptidão do contribuinte para suportar o ônus tributário. Ou seja, a capacidade de arcar com o pagamento do tributo.

O princípio da isonomia no direito tributário busca em segunda análise  a dignidade da pessoa humana. O mínimo existencial para o bem-estar do ser humano deve ser excluído da tributação.  

Referência:  Chimenti, Ricardo Cunha Direito tributário : com anotações sobre direito

financeiro, direito orçamentário e lei de responsabilidade fiscal / R. – 15. ed. – São Paulo: Saraiva, 2012.

Tags: | |

Mantenha-se Atualizado

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


  1. I am also commenting to let you know of the remarkable experience our princess undergone viewing your webblog. She picked up some things, which included what it is like to possess an ideal teaching spirit to make the mediocre ones without difficulty master specified tortuous things. You undoubtedly surpassed readers’ expected results. Thanks for rendering those useful, trustworthy, revealing as well as unique tips on your topic to Mary.

Este site utiliza Cookies e Tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência. Ao utilizar nosso site você concorda que está de acordo com a nossa Política de Privacidade.